Poder público e entidades ligadas à mineração debatem o zoneamento do lago Guaíba

Para presidente do Sindibritas e Agabritas, implementação do processo trará benefícios para a economia do estado

O processo de elaboração e implantação do zoneamento do lago Guaíba foi tema de reunião na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA), em Porto Alegre, nesta quarta-feira (03/05). O presidente do Sindicato da Indústria da Mineração de Brita, Areia e Saibro do Estado do RS (Sindibritas) e da Associação Gaúcha dos Produtores de Areia, Brita e Saibro (Agabritas), Pedro Antônio Reginato, reuniu-se com a secretária estadual de Meio Ambiente, Ana Pellini. O encontro foi promovido pela Frente Parlamentar de Apoio à Mineração da Assembleia Legislativa, por meio dos deputados estaduais Lucas Redecker e Catarina Paladini.

Diante do declínio da mineração de agregados (areia e brita), setor responsável pelo fornecimento de material para a construção civil, as entidades que representam o segmento apresentaram suas preocupações com a demora na elaboração e colocação em prática do processo.

– Toda a cadeia da construção civil será beneficiada, gerando riqueza e impostos. Além disso, também promoverá o aumento do calado de navegação, sem custos para o Estado, e fornecimento de areias de ótima qualidade a baixo custo para o mercado, aliviando, ainda, a pressão ambiental sobre outras fontes de produção. Porém, defendemos que este serviço seja efetuado por empresas habilitadas pelos planos de controle ambiental que são previamente estabelecidos – comentou Reginato.

Ana Pellini afirmou que o Governo do Estado está empenhado em atender as demandas da mineração gaúcha e valoriza o diálogo constante que mantém com o Sindibritas e Agabritas. A secretária ressaltou que o zoneamento do lago Guaíba pode ser uma alternativa interessante, mas ainda depende de questões técnicas e jurídicas.

Participaram também do encontro os diretores do Sindibritas e Agabritas Paulo Fernando de Oliveira e Ivam Luís Zanette, e os analistas ambientais da SEMA, Andrea Garcia e Renato das Chagas e Silva.