Experiências utilizadas na Europa podem servir de exemplo para mineração no Brasil

Em missão empresarial, representantes gaúchos e brasileiros do setor conheceram técnicas de extração e processamento de agregados em países estrangeiros 

Na busca por conhecimento de avanços relacionados a mineração, representantes gaúchos e brasileiros do segmento realizaram uma missão empresarial à Europa, durante o mês de maio. Organizada pela Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil (Anepac) e Liebherr, a viagem teve como objetivo conhecer boas práticas de negócios relativas à extração e processamento de agregados, na Alemanha, Áustria e França. O Sindicato da Indústria da Mineração de Brita, Areia e Saibro do Rio Grande do Sul – Sindibritas e a Associação Gaúcha dos Produtores de Brita, Areia e Saibro – Agabritas estiveram representados por Fernando Borges Machado e Sandro Alex de Almeida. Nas visitas em fábricas e pedreiras foi possível conhecer métodos utilizados que podem ser aplicados na experiência brasileira.

– Nos chamou a atenção a prática de não usarem mais detonação. Em uma das pedreiras que vimos, não há mais o desmonte de rochas através da detonação, há uma máquina que desagrega os materiais. É utilizada uma escavadeira hidráulica, sem uso de explosivos tornando mais barato e muito mais seguro. O custo de investimento pode ser maior, mas o resultado a médio e longo prazo é vantajoso – explica o diretor do setor de areia da Agabritas, Sandro Alex de Almeida.

Outro aspecto a ser usado como exemplo é o aproveitamento de materiais reciclados. Pneus, que hoje são um grande problema para destinação após o uso, são usados com filtros modernos na queima das usinas em cimenteiras. Nesses equipamentos é preciso trabalhar com dois mil graus centígrados e o uso de pneus auxilia na própria produção, reduzindo o consumo de lenha e abre a possibilidade de reciclagem de pneus.

A missão teve a participação de sete empresas do Rio Grande do Sul e um total de 38 pessoas saindo do Brasil. As visitas guiadas foram realizadas em pedreiras de basalto, calcário e granito, além de fábricas de cimento, escavadeiras e de pás-carregadeiras, da empresa alemã Liebherr.