Mineradoras demonstram preocupação com o meio ambiente e trabalham com conscientização

Cuidar do meio ambiente hoje é um fator determinante de como o mundo será amanhã. Por isto, o Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho, é uma data importante para valorizar boas ações realizadas para conscientizar e disseminar os ideais de vida sustentável. Na Associação Gaúcha dos Produtores de Brita, Areia e Saibro (Agabritas) e no Sindicato da Indústria da Mineração de Brita, Areia e Saibro do Estado do RS (Sindibritas), empresas associadas trabalham para que o desenvolvimento do estado não agrida a natureza, por causa das minerações.

– É muito importante que as mineradoras tenham projetos voltados ao meio ambiente. Nosso trabalho é promover o desenvolvimento das cidades, mas não podemos agredir a natureza em função disto. As empresas realizam projetos para conscientizar a população – destaca o presidente da Agabritas e do Sindibritas, Pedro Reginato.

A mineradora Smarja, por exemplo, realiza atividades de recuperação da mata ciliar e educação ambiental com atividades práticas. A recomposição das matas ciliares é de suma importância para o meio ambiente, tendo em vista o importante papel que desempenham na proteção dos mananciais hídricos, auxiliando no equilíbrio térmico, contendo escoamento sub-superficial e o carreamento de nutrientes do solo, bem como estabilizando as encostas e evitando, assim, assoreamentos. Além disso, as matas ciliares constituem remanescentes florestais e servem como habitat, abrigo e corredor ecológico para diversas espécies da fauna nativa.

– A recomposição da vegetação nos mananciais é uma preocupação no mundo todo e o benefício gerado é importante para toda a população, não somente para os produtores rurais que possuem propriedades ribeirinhas. Preocupada com a preservação da natureza e pensando no desenvolvimento sustentável, a empresa Smarja procura desenvolver projetos visando amenizar os impactos ambientais gerados pela atividade de mineração, e a manutenção da qualidade das águas e a preservação do recurso hídrico para garantia dos diversos usos por parte da sociedade – relata o presidente da Smarja, Sandro Alex de Almeida.

A empresa realiza as atividades de recuperação da mata ciliar, o que envolve a identificação de áreas com maior degradação dentro dos limites da Área de Preservação Permanente (APP) do rio Jacuí, levantamento dos proprietários e contato com os mesmos para apresentação do projeto e obtenção de sua anuência para realização de plantio de mudas de árvores nativas na APP de suas propriedades, e a execução do projeto de plantio, com monitoramento por no mínimo quatro anos de cada área plantada.

A mineradora Fabrita faz captação de água da chuva e reaproveitamento desta água para fins de uso no sistema de aspersão com o objetivo de redução da emissão de particulados. Já a Concresul tem dois projetos voltados ao meio ambiente. Um deles é o Projeto Crescer, que leva estudantes para dentro das pedreiras. Uma forma didática de estímulo a futuras gerações de engenheiros da mineração e outras tantas profissões do setor. Lá eles vivenciam práticas corretas de extração e conservação de bens naturais.

O outro projeto é de revitalização da mata ciliar. A Concresul, em parceria com a Prefeitura Municipal e Secretaria de Meio Ambiente de Bento Gonçalves, realizou o plantio e conservação de duas mil mudas de espécies nativas da região. Objetivo atender medida compensatória voltada à empresa atendendo aspectos legislativos da Licença de Operação.

A empresa Somar possui uma parceria com Grupo Escoteiros Jacuí – 33 que já rendeu diversas ações ambientais na região hidrográfica do baixo Jacuí. Tais ações contribuem para a preservação ambiental e conscientização dos participantes que posteriormente disseminam as informações para as famílias e amigos.

– Em 2014 a Somar patrocinou e participou da Ação Ambiental Limpeza Prainha da Colônia. A iniciativa realizada no dia 05 de abril de 2014 envolveu crianças e jovens, com idades entre seis e 21 anos, na coleta de resíduos encontrados na área de balneário junto à Ponte do Arroio dos Ratos, e no plantio de mudas nativas na mata ciliar nas margens do Arroio – afirma a diretora executiva da Somar, Veronica Della Mea.

A parceria entre os Escoteiros Jacuí e a Somar contribuiu para a preservação ambiental e conscientização dos 40 participantes da atividade sobre a importância do correto acondicionamento de resíduos. Além da coleta de resíduos, foram feitas a separação e o encaminhamento de materiais para a reciclagem.

A Mineração Florense, visando modernizar o processo de movimentação de brita e preocupada em diminuir a poluição na atmosfera, instalou um silo com capacidade de 700 toneladas. Este sistema contribuiu na equalização de custos e na redução da emissão de particulados e poluentes gerados pelos combustíveis, pois nesse processo não é utilizada pá-carregadeira. Além disso, o tempo de carregamento de uma carreta, que no processo normal é de três minutos passou a ser de 25 segundos. Dando segmento a esse ciclo, a Mineração Florense instalará mais dois silos até 2016.

A empresa Toniolo Busnello, também está preocupada com o meio ambiente, de forma que todos os locais onde são realizadas as atividades produtivas, as mesmas são recuperadas com plantio de mudas e recomposição com a vegetação local. A unidade também e composta por várias áreas de APP, onde as mesmas são isoladas para que não haja degradação, temos também jardinagem na área com uma estrutura composta por caixas que permitem o armazenamento da água da chuva para a irrigação.

Foi realizado plantio, no parque da Expointer localizado na cidade Esteio, que fica inserido na Bacia dos Sinos, onde foram plantadas mais de 100 mil mudas de árvores frutíferas e nativas, juntamente com todos os tratos culturais necessários para o desenvolvimento das referidas mudas.